16 de mai de 2013

Simplicidade

                    Large
                                                                             Fonte
Chegamos no fim do espetáculo. O sol já havia partido quando nos aproximamos da montanha. O tempo seco dificultava a nossa incursão naquele lugar pitoresco. Não havia construções humanas naquelas redondezas. Apenas a vida respirando sua natureza em cores reais. Não havia bibliotecas, casas, bicicletas, apenas nossos pés imaturos pisando em solo sagrado, puro. Era possível sentir a umidade da terra contornando o dorso dos nossos pés que caminhavam tímidos pela campina. Combinamos de não trazer muita coisa da cidade para esse santuário majestoso. De longe era possível ver um longilíneo riacho. Era possível tocá-lo com o dedo. Ficamos ali por alguns minutos até esvaziar de nossas almas todas as fuligens da metrópole. Mas restou uma cor cinza no fundo do peito fraco. Quem éramos ali? Que importância tínhamos diante de imensa grandeza natural? Que valiam nossos espólios frente a beleza da criação? De repente todas as conquistas da vida cotidiana se tornaram pequenas e nós mais diminutos que tudo contemplávamos quietos o grande espetáculo da vida. Para além das nossas proposições, restou um silêncio seguido por um vento gélido que anunciava chuva. Era incrível sentir os pingos molhando nosso rosto árido. Éramos desertos recebendo chuva. Oasis vazios sendo preenchidos de água potável para revivermos na primavera. Nada do que pensamos era semelhante aquele instante. Nada. Restou apenas o gosto de vida descendo pelos nossos lábios ressequidos. Vida renascendo dentro de nós. ESPERANÇA!

3 comentários:

Ana Paula disse...

E que renasça sempre essa esperança para nos lembrarmos sempre dessa simplicidade de fazer parte de uma natureza tão única.
Beijo

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Vida renascendo dentro de cada um, gotas rejuvenescendo os gostos ressecados, as terras áridas e mornas, tanto da vida, quando da alma. Espetáculo de simplicidade, que espalha grandeza na sua leveza e na sua purificadora existência.

Ao sermos regados, florescemos. Revivemos.

Lindo texto Tammy!!

Beijo!!

Samara Even disse...

Nossa, que lindo!
Cheguei a fechar os olhos e imaginar esse lugar dos sonhos. Eu lá, pisando na areia, tocando nas águas, cheirando as plantas... Que sonho!
Bjin.