5 de fev de 2013

Vendaval.


Estávamos em lugares opostos quando o vento soprou.
O amor que você sentia virou grão e foi-se com o vento.
O meu permaneceu intacto.
Quando a poeira baixou e encontrei-me contigo sorri como uma boa mocinha apaixonada.
Mas onde foi parar teu riso bobo? Parecia tão sério e convicto de si.
Estremeci.
Que houve com ele?, disse quando ele me encarou com desdém.
Os olhos lívidos brilhavam sem aquela cor escarlate de outrora.
Os lábios cerrados não deixavam escapar um risinho, uma palavrinha boba.
O corpo lento mais parecia uma estátua que o homem por quem me apaixonei.
Rapidamente ele deu de ombros e partiu, sem adeus, sem poesia, sem emoção.
E a moça sentou na calçada, olhou as crianças correndo na rua e sentiu falta daquele tempo que bastava passar methiolate que a ferida parava de doer.

11 comentários:

Agostinho Barros disse...

Querida Tammy , fiquei imensamente feliz em chegar ao meu blog e ver uma entrada sua, em um longo comentário fizeste-me reflectir um pouco. As tuas palavras estruturadas formaram um belíssimo texto que poderia considerar um artigo. Palavras surpreendes em tons harmoniosos ditas com carinho. Se precisares de ajuda nesse diálogo eu estarei cá para ajudar-te a torna-lo mais masculino e menos afeminado. Desejo-te uma bom semana e mal posso esperar para um novo diálogo entre nós. Abraço grande e sê feliz!

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Tammy, muito bem pensado esse poema. Tempo bom em que se passava Merthiolate e a ferida sarava. Adorei.
Beijos
Manoel

♥ Luciana de Mira ♥ disse...

Muito bom como você escreve. Adorei.

Suzana disse...

Que texto profundo!! Fiquei sem palavras :,(



Já está participando do sorteio?
http://help-adolecentro.blogspot.com.br/2013/02/conheca-loja-mega-formiga-sorteio.html

Ana Paula disse...

Quando você vai editar todas essas maravilhas?
Beijo

Vitória disse...

Own, que lindo. Às vezes as coisas acabam do nada, sentimentos que parecem tão profundos de repente desaparecem. E, é claro, o repentino vazio não é recíproco, e um acaba por sofrer... Mas a vida sempre continua:) Adorei aqui.
Beijos,
http://menina-do-sol.blogspot.com.br/

Carlos Rímolo disse...

Querida amiga Tammy!

Perdoa-me a invasão de seu espaço, mas temos amigos comuns. Gostei do seu Blog. textos lindos. Está de parabéns. Já sou seu seguidor.
Beijos de luz !!!

POETA CIGANO - 07/02/2013

http://carlosrimolo.blogspot.com

"Poesias do Poeta Cigano"

Sofia Teixeira disse...

Lindo esse texto e muito obrigada pelo seu comentário fique bastante grata.
E acerca do assunto do meu blog,uma amiga minha ajudo-me a modificar, pois era mais fácil.
Você não se importa?

Beijinhos,
Sofia

Sofia Teixeira disse...

Lindo esse texto e muito obrigada pelo seu comentário fique bastante grata.
E acerca do assunto do meu blog,uma amiga minha ajudo-me a modificar, pois era mais fácil.
Você não se importa?

Beijinhos,
Sofia

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Vendaval que assopra o que de bom se escora. Tempos que mudam, emudecem o peito e encharcam os olhos com gotículas de tristeza. Felicidade que se esvai sem que percebamos.

Os teus textos são belos, porém muito melancólicos. Mas adoro lê-los.

Beijos querida!

Luzia Medeiros disse...

Te marquei em uma tag. Beijos.

http://luzia-medeiros.blogspot.com.br/2013/02/tag-para-aproximar-os-blogueiros.html