30 de jan de 2013

Quanto o amor evapora.


Os dois se gostavam.
Ou era isso que aparentavam sentir.
Quando o vento veio levou cada pedaço.
É que os dois esqueceram dos pregos.
Tudo foi pelos ares.
O amor, a graça e o perdão.
E ficaram desabrigados.
Pouco tempo depois sumiram por aí.
Se perderam de si.
Evaporou o que pareceu ser afeto.
Ficou apenas o vento varrendo o chão empoeirado.
Os dois nunca voltaram a morar no mesmo bairro.
Arrumaram uma casa por outras bandas.
Uns amores por aí, talvez mais honestos e brandos.
Mas ainda lembram dos dias brancos que se foram.
Das corridas pela avenida no meio do tráfego.
Dos almoços e das merendas na calçada.
De quando a chuva despencou e eles ficaram acochadinhos se aquecendo.
Mas passou como qualquer ventania passa.
E ficou apenas grãos na memória.
Que a chuva não umedece e o fogo não apaga.
Evaporou como poças d'água em dias de sol abrasador.
E o que ficou?
Nada além de buracos na pista.
Que esperam chuva pra se encharcarem de sentimento.

8 comentários:

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Tammy, noooooossa! Seu blog é simplesmente lindo. Não só na estética, mas nos assuntos. Nem vou segui-lo. Vou persegui-lo, rs...rs.
Bjs
Manoel

Suzana disse...

Que poeta perfeito!! Lindo demais! Você escreve muito bem! Parabéns =]

help-adolecentro.blogspot.com.br/

Ana (: disse...

Oi Tammy, gosto muito dos seus textos, muito inspiradores *-* Quero te agradecer pelo carinho lá no meu blog, estou aqui pra retribuir ((: Beijos da Ana (:

http://alimentandosentimentos.blogspot.com/

Leontyna Santos disse...

E depois dessa ventania que nos tira dos eixos só resta a bagunça que sufoca e faz os olhos transbordarem vez ou outra..

Lindo, como sempre, Tammy
Beijos*:

Karine Maciel disse...

Tudo foi pelos ares... E por incrível que pareça,não faz falta. Amor líquido nunca mais! :D

Maria Sofia Aragão disse...

Tammy, achei lindo o poema, espressas os teus sentimentos de uma forma inexplicável, o poema é incrivel.

Um BEIJO

http://farytale-msa.blogspot.pt/

Dinha Cavalcante disse...

O que evapora é líquido, precisamos de amor sólido, firme, construído sobre bases que sustentam e não desgastam com o tempo, que não encharcam com a rotina, o tempo, as intempéries da vida ou o cansaço. Belíssimo texto!
http://www.dinhacavalcante.com

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Triste quando evapora, quando o vento para de soprar. O amor que se apodera e depois abandona. Causa um furor e um furo. Lá no mais íntimo. Quando o sentimento evapora, o coração evapora junto...

Lindo, porém, triste. Beijo Tammy!