7 de jul de 2012

Flor na janela cinzenta.


As ansiosas lágrimas já secaram no último por do sol que se desvelou no céu taciturno.
Alguns rabiscos brevemente desabafados em um pequeno papel antigo.
Olhares distantes a cortar o ambiente em dois distintos papeis de parede.
Corpos estáticos a contemplar o silêncio que embriagava cada sussurro descompassado.
Uma miúda flor a desabrochar seu encanto ao canto da janela entreaberta.
Sobrancelhas levemente erguidas para denunciar o vislumbre.
Tão meiga e gentil flor a desatinar a solidão acinzentada de outrora.
Uma suave cor rósea a corar o tom cinza da sala solitária.
Apenas um corpo a olhar atentamente o acordar daquela flor menina.
Um sorrisinho lunar para cintilar luz naquela penumbra.
A flor adormeceu ao mesmo compasso dos cílios que o contemplavam.

Nenhum comentário: