19 de jul de 2012

Cantar o Infinito !


Que perdure o vento que toca meus medos e os leva para longe de mim.
Que seja longínquo o ressoar das mágoas que ulceram minhas alegrias.
Que cada sorrir e cada lagrimejar sejam a expressão mais exata do que sou, sem exigências.
Que o amor fique, sem receio, sem expectativas e sem indagações.
Que seja feita de honestidade essa vida que se revela que se mostra a cada aurora corada.
Que seja que sejamos que venhamos a ser, mas que não nos esqueçamos de querer ser alguma coisa.


Um comentário: