26 de out de 2013

Constância


" É, morena, tá tudo bem.
 Sereno é quem tem, 
a paz de estar, em par com Deus" Camelo

Uma gota de constância dissipa a fluidez de um momento, ele se alonga na tessitura dos anos. Constância, rara e serena a pousar na vida de quem sabe valorizar a calmaria da continuidade. De quem se estica para tocar um pouco do outro a cada passo, que se estende até chegar à habitação do outro, morada distante. Longo caminho a percorrer entre a pouca vida que se esmorece a cada crepúsculo. A constância me anima a acreditar que podemos superar a volatilidade do tempo presente. Podemos aprender a amar, todos os dias. E o amor é perene, é contínuo. Não se limita a brevidade de uma vida, alonga-se na eternidade. Para aqueles que sabem o real sentido de estar amando a constância é amiga íntima. Menina bonita que te ajuda a reencontrar a imesidão do outro a cada manhã. Mergulho sereno no mar de quem te quer assim tão perto, passeio tranquilo de bicicleta pelas avenidas do seu amor, brincando de infinitude enquanto o tempo desaparece na longevidade de um instante. E enlace bonito não é o que se perde entre os dias da semana, entre um descuido e outro; mas é aquele que encontra o elo perdido na candura da boa rotina. Essa monotonia que nos uni, que torna o nosso romance em uma nuance de tantos tons cítricos, vívidos. O amor é como um pequeno joão de barro, faz casa para guardar o que lhe é precioso, faz morada para permanecer e perdurar. Se é casa o que procuras então construa seu relacionamento em bases eternas. Sólidos são aqueles que conseguem suportar altas temperaturas, sejam estas de sol creptante ou invernos austeros. Uma receita bonita dos tempos antigos é regar seu amor com água potável, com cuidado e zelo diário. Amar alguém é como cuidar das flores, não podemos deixá-las na sombra nem ao sol por tempo alongado, deve-se ter o cuidado de ver as sua pétalas, de ver sua sede por água, de sentir sua cor em cada nuance. Amar é plantar uma árvore no coração do outro, e florescer junto com o seu amado. É ser sol e lua, sombra e chuva, repouso e mansidão. E mais uma vez o vento traz a constância pro nosso sossego, deixa ela fazer da nossa casa um lar de comunhão. De saber-se amado mesmo sem escutar eu te amo constantemente. É algo intrínseco dos amantes. Dos que não restringem sua dedicação a breves instantes de emoção. Mas que aguardam o melhor momento para tornar eterno o que poderia se dissipar em um leve piscar de cílios. Amar é beijar a imensidão do outro,mesmo sem o toque manso dos lábios. É tocar a alma sem abraçar o corpo, é se esvaziar para ser preenchido pela paz de saber-se amado. Amor é secretar à Deus seus anseios, seus medos, alegrias e sonhos. E Ele, que é a essência do amor, nos ensinará passo por passo como devemos cuidar do outro. Sem causar-lhe dor, sem magoá-lo. Quem sabe amar, sabe preservar, sabe confiar, sabe compreender, sabe que para ser contínuo deve ser vivido e sentido bem devagar. Que bom é ter esse mestre ao nosso lado, nos mostrando como faz bem amar. Cuide, zele, respeite, sirva. Amar é servir, não te esqueças do que Jesus ensinou. Antes de esperar ser servido, sirva. Seja um servo fiel e atento, que não dorme enquanto o outro repousa, seja constante em sua luta consigo, e diga a preguiça que volte para sua taverna. Amar é não saber conjugar esse verbo mas saber vivê-lo em cada tempo verbal. É ser devedor do outro, antes que esse te deva alguma coisa. É chorar e sofrer para que a liquidez da vida não os dissipe, não os fragmente a ponto de se perderem. Amar é despir-se do ego, e cobrir-se de Deus. É desvendar a imensidão do outro para encontrar a infinitude de si mesmo. Amar é navegar em um oceano de ondas tribulosas, e mesmo assim dormir sereno por saber que o criador do mundo te cuida e te zela, porque Ele te ama sem esperar tua resposta.