10 de mar de 2013

Recortes de Jornal.



No final da página estava estampado seu sorriso de outono, cheio de folhas no canto dos olhos. Ela era tão diferente das outras gravuras. Os cachos enrolando a cada fio de cabelo negro, isso deixa ela ainda mais interessante. Recortei-a e deixei na escrivaninha. Pensei em escrever um poema sobre a curvatura dos seus cílios, o jeito de olhar para o nada e sorrir como se estivesse observando a própria vida nascer e se multiplicar. Apaixonei-me desde então pela moça do jornal da segunda feira. Não sei o nome, endereço ou CPF mas, sei que canta com a íris dos olhos e me encanta a cada vislumbre involuntário. Desenhei aquele olhar na parede do sala, e ficava ali por horas, só contemplando aquela criaturinha fantástica. Me senti um romântico de uma época bela, em que ficar fascinado pela caricatura de uma diva era o modo mais sublime de amar.

Nenhum comentário: