7 de jan de 2013

Sobre romances bonitos.


Ali no canto do bar haviam dois olhos que sonolentos observavam cada ruga lindamente desenhada no rosto de uma balzaquiana. Meio sem jeito ela sorri e pergunta por que ele se interessava tanto por uma mulher tão comum como ela. O rapaz com um riso calmo olha de novo pra ela e diz gostar das coisas simples. Ele toca delicadamente o rosto da mulher e começa a cantarolar uma música bonita que fazia ela se sentir bem. O amor estava bem cuidado na forma suave que eles se olhavam. Na mansidão de ambos em ficar até altas horas mergulhando no cotidiano um do outro, deixando o tempo passar devagar enquanto os dedos se tocam com brandura. Alguns anos afastavam os dois, talvez mais pelo desleixo da mulher em se arrumar mais. Ela dizia não gostar de batom e maquiagem, preferia manter a naturalidade e expor o que era sem pintura. Sentia-se bem com maturidade dos traços mas não conseguia aceitar estar amando um homem mais jovem. Ele tinha uns 25 anos, trabalhava como contador e se apaixonou pela beleza honesta dos olhos dela. Eram castanhos cintilantes, e estavam para sempre gravados na lembrança dele. Que importava o tempo? os anos, as datas? O amor surge em circunstancias distintas sem muita expectativa e ânsia. Foi assim numa noite fria sem muita graça que os dois se encontraram num vagão de trem. Estava frio e ele ofereceu seu casaco para aquecê-la. E naquele abraço quente o amor brotou. 

6 comentários:

Karine Maciel disse...

Ai que lindo ! Essa moça parece comigo,só que eu ainda estou a procura desse rapaz que goste de coisas simples. :-)

Renata Lima disse...

É engraçado como deixamos que o amor nasça da forma mais pura que há. Amei o seu texto, tuas palavras!
Está de parabéns!
Seguindo!
bjs

Samara Even disse...

Que lindo! Me até ficar aqui suspirando,acreditando que o amor vai chegar logo. Como sempre despertando emoções,hein. s2 Amei! Bjuku!!

Leontyna Santos disse...

E tão sutilmente surge esse tal de amor.. Parece até saber a hora certa de chegar..

Doce, suave, delicada, como sempre..
Beijos*:

Mayara Moraes disse...

Que lindo, e você sabe que sou uma boba apaixonada por natureza né? E mesmo sendo nova, as vezes me sinto como a personagem do seu texto; assim simples, comum, cheia de defeitos.

Ótimas escrita, beijooos!

Scarlat Assunção disse...

porque só é amor quando tem simplicidade *-*
Você e seus textos lindos ♥