2 de nov de 2012

Ausência do seu olhar

Portrait | Celestine Rioux by Nikolai de Vera on We Heart It. http://weheartit.com/lliias

Sinto cada espaço vazio que se expande e se distrai nas sólidas paredes que me mantém longe do seu cheiro. Seus olhos ausentes esqueceram de sorrir para mim naqueles dias tristes que andei solitária. Pensei que o tempo caminharia lento, mas ele escorregou em suas incertezas. Fiz tantos escritos inspirados na doçura dos seus olhos. Tantas canções que meus lábios criaram lembrando da sua tez dourada, preenchendo meu breu de arco íris, fazendo surgir calor das dimensões mais frias do meu coração. Eu realmente pensei estar me apaixonando por alguém real, que eu pudesse tocar e me sentir abraçada quando necessitasse de afeto. Pensei que a poesia havia encontrado forma nos teus belos versos, que as folhas secas de outrora renasceriam ao som da sua dócil voz. Olhando para este instante, agradeço por cada cicatriz que você gentilmente beijou em noites remotas. Pelas singulares palavras que me cativaram e como elixir curaram muitas das minhas dores latentes. Eu sinto cada instância de nós se decompor. Cada partícula que nos uniu hoje nos mantém tão longe. E você nem se despediu, não mandou carta, não beijou meu rosto, não disse nada. Apenas me deixou aqui sozinha, ao relento. Tem dias que eu corro à sua procura, buscando qualquer fagulha que venha de ti. Qualquer verso, qualquer fotografia, qualquer ruído que soe verossímil com a cadência da sua voz. Eu posso dizer que te amo nas noites mais escuras que me dissipa a alegria e me traz a lembrança dos seus olhos. Estremecida choro as dores mais íntimas que só eu consigo compreender. Distante teus tempestuosos olhos não sentem tal turbulência, insensíveis estão eles aos meus versos. Distantes, dormentes, intermitentes.


Nenhum comentário: