2 de set de 2012

Há.


Havia desilusão em seus olhos.
Um leve ardor em seu humor vítreo.
Havia solidão em suas pálpebras.
Uma suave dormência escondida no último cílio.
Havia neve embaçando sua vista.
Impedindo-a de perceber a exatidão do espaço diante de si.
Havia resquícios de pranto no canto do olho esquerdo.
Uma lágrima esquecida pela sua indolência.
Havia carência por traz de suas palavras frias.
Enraizadas naquilo que costumava oprimir e desprezar.
Havia desapego, medo, zelo.
Existia muita coisa que ela costumava engaiolar.

3 comentários:

Luzia Medeiros disse...

Às vezes, teimamos em esconder certas coisas.

Suas palavras são fortes e encantadoras.

Beijos.

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Mas se havia amor, isso tudo se tornava pequeno...

Acredite!

Beijo anjo!
;)

Nanda Torres disse...

As vezes escondemos os sentimentos de nós mesmos, mas hora ou outra eles ressurgem...
Lindas palavras!
beijo beijo

lladodedentro.blogspot.com