14 de jan de 2013

Sorrateiro.

Enquanto as folhas caíam eu pensei na forma distinta que a paixão aparece na vida de cada pessoa. Em uma tarde morna,enquanto os carros trafegam beligerantes,o amor sorri nos olhos adultos que acabam de se conhecer na rua quase vazia. Não tão longe uma moça de cabelo marrom percebe uns olhos azuis de um certo rapaz e de repente se encanta pela luminosidade da sua íris. Um homem de meia idade espera pacientemente o metrô e senta-se perto de uma mulher interessante; apenas uma prosa e ele não consegue esquecer o tom sedutor e cativante da voz dela. Um senhora na idade boa da vida recolhe alguns legumes de sua orta e se depara com um papel amassado enterrado na terra úmida. Ela começa a ler e reconhece a letra do seu falecido esposo, e a velha chama que julgava apagada volta a fumegar com bravura. O amor aparece sorrateiro e nos convida para um banquete diferente. Podemos aceitar ou simplesmente ignorar o convite.

Um comentário:

Ana Paula disse...

Em tantas estações, tão diferente e tão igual é o amor.
Adorei! Beijo