20 de jan de 2012

O som do silêncio.

               
Estou submersa em um oceano longínquo.Contemplando as estrelas através das águas cálidas de um mar obscurecido pela noite.Minh'alma adormece enquanto o silêncio inunda-me por completo.Fecho as pálpebras delicadamente,esperando o instante certo de mergulhar na solidão que devagar aparece.Na escuridão eu dedilho meus pensamentos mais entorpecentes,deixando-os quietos.Meu corpo está flutuando em uma vastidão de sonhos e devaneios.Seus olhos cintilam um brilho que se apaga a medida que me distancio da enseada.Desta vez,talvez,apenas agora,não desejo lembrar das suas pupilas.Que sejas nesse instante um suspiro silencioso de alguém distante.Esse é o meu momento de desapegar-me do sentimentalismo.Velejar solitária sem pensar em nada.Respeitar o som do silêncio,segurar meus anseios e moldá-los até que eu esteja pronta.O tempo navega sem pressa enquanto recolho minhas desilusões,eu mergulho num só fôlego e as aprisiono num abismo profundo.Pensarei calmamente quando retornar ao porto.Pensarei em nós,mas agora não quero ver ninguém.Somente sentir a brisa fria tocar meus poros,e atiçá-los delicadamente.Tocar a água com uma paz suficiente,e ver meu reflexo em um azul cintilante.Cercada de neon das estrelas,nuvens desavisadas a percorrer o nebuloso ceu.Esperando o sol despertar de seu sono tranquilo;para retornar a mim mesma,sem receios.Nessa noite somos nós,eu e o mar.Dois companheiros do silencio,da brisa,da delicadeza,da suavidade.Meus cabelos soltos e quase umedecidos;minha pele morena acalentada pelo brilho suntuoso da lua.Dois corpos celestes distanciados pela gravidade.O vento sussurra sua canção noturna,e aos poucos eu me despeço dessa madrugada lenta e discreta.A aurora acorda o sol que logo recolhe as outras estrelas do ceu,e chama os ventos que carregam meu veleiro para a praia.Todas as vezes que eu sinto você chegando me vem um arrepio;porque o seu amor é como uma noite em silêncio que me intriga e fascina.Precisei da sutileza para sentir a sua brandura.Assim longe de seus braços eu vi que talvez você não lembre de mim.E eu estou amando mais o toque da noite que o seu.É um perfeito mistério que irei descifrar,mas tenho que esperar seu retorno.Pois agora és tu que velejas calmamente numa madrugada misteriosa,olhando o ceu,ao som do silêncio.

Um comentário:

Ivana disse...

Nesse silêncio fiquei ouvindo essa belíssima melodia, e seu texto complementou um belo momento. Um abraço, um ótimo fds